Erros de arbitragem: haja tolerância…

O campeonato brasileiro de futebol sempre foi marcado por fortes emoções. E isso seria muito bom, não fossem as interferências externas.

As partidas deixaram de ser decidas em campo, passando a contar com a atuação dos árbitros. Os erros de arbitragem tornaram-se tão frequentes, que alguns jogos, e até mesmo torneios, têm sido decididos no apito.

Os torcedores têm convivido com essa triste realidade há tempos e são obrigados a tolerar tal situação.

E os erros não são privilégio do Brasil. Recentemente, uma partida chamou a atenção do mundo inteiro.

Em disputa válida pelas eliminatórias da copa do mundo, Irlanda x França presenciaram mais uma falha.

O árbitro sueco Martin Hansson, ignorou um toque de mão claro de Thierry Henry, atacante da seleção francesa. O lance originou o gol do empate e garantiu a participação da França no mundial.

A seleção Irlandesa requisitou a FIFA nova partida, mas a entidade tolerou o ato e negou o pedido.

Tolerância tem limite

Alguns casos de arbitragem comprada vieram à tona, e não foram tolerados como a maioria. O escândalo envolvendo o então arbitro Edílson Pereira de Carvalho, personagem central da chamada máfia do apito, em 2005, teve um desfecho diferente.

A Confederação Brasileira de Futebol (CBF) descobriu o esquema, anulou 11 partidas por ele apitadas e baniu Edílson de seu quadro.

2 Comentários

Arquivado em Uncategorized

Torcida online: Atleticanos acompanham informações do clube por meio das redes sociais

redes_sociais1

Interação: usuários utilizam as redes sociais para falar sobre vários assuntos.

imagem: http://flammarion.files.wordpress.com

As redes sociais estão cada vez mais presentes no dia a dia de várias pessoas. Por meio delas é possível se conectar com usuários de lugares diferentes e com os mesmos interesses.

Pelo Orkut, Adílson Gomes, costuma buscar outros torcedores do Atlético. “Já encontrei vários atleticanos dessa forma,” afirma.

“Pela comunidade do Atlético, vejo de que cidade o usuário é, e o adiciono se achar seu perfil interessante”, explica.

Atualmente, o Twitter é uma das redes sociais de maior acesso. Por ele é possível seguir um amigo ou outro usuário de sua área de interesse.

Júlia Gonçalves segue o presidente do Atlético, Alexandre Kalil. “Fico atenta as suas twittadas, já que são declarações oficiais sobre o que acontece no clube.” Disse.

Segundo ela, “também é interessante ser seguida por twitters de vários lugares, o que possibilita uma interação com pessoas de lugares distantes, mas de interesses parecidos.”

Saiba mais sobre redes sócias acessando: http://www.redesocial.net/.

2 Comentários

Arquivado em Uncategorized

A comunicação como estratégia…

 

Profª Ivone

Profª Ivone

O Centro Universitário do Leste de Minas Gerais – UNILESTE-MG realizou ontem (22/10), uma palestra sobre “Comunicação Estratégica das Organizações”. O evento foi ministrado por Ivone de Lourdes Oliveira, Dr.ª em comunicação e professora da PUC Minas.

 Um dos quesitos importantes para o sucesso de qualquer organização, a comunicação estratégica tem sido utilizada por integrantes do Movimento 105 Vale do Aço, comunidade de atleticanos no Orkut – rede social de grande popularidade.

 Em sua palestra, Ivone apresentou conceitos sobre as palavras comunicação e informação. Segundo ela, “a comunicação é um processo em movimento”. E é justamente isso que acontece na comunidade do 105, onde as informações sobre encontros, caravanas e todo o tipo de serviço, são dispostas de forma com que os integrantes possam opinar e interagir.

  “A informação é dirigida, sendo parte integrante da comunicação”, disse Ivone. Bem como é feito pelos integrantes do 105, que utilizam esse espaço para deixar o seu torcedor informado.

 Esse tipo de comunidade pode ser considerada estratégica, pois algumas pessoas que antes não tinham um contato permanente com os assuntos referentes ao Atlético, passaram a saber de forma rápida, prática – e porque não dizer, direcionada – o que acontece com seu time. Além de poderem interagir com o conteúdo divulgado, deixando scraps (recados) e links relativos ao assunto.

Fóruns desenvolvidos pelo integrantes do 105 - comunicação

Fóruns desenvolvidos pelos integrantes do 105 - Comunicação

2 Comentários

Arquivado em Uncategorized

Atlético é o 1° a ultrapassar a marca de 500 mil pagantes no Brasileiro

Cinco times com maior média de público do Brasileirão

Cinco times com maior média de público do Brasileirão

A Massa Atleticana continua mostrando sua força no Campeonato Brasileiro. Desde o início da competição, o Galo vem mantendo a condição de clube com maior média de público.

Depois da partida contra o Barueri, no último dia 3, o Atlético se tornou o primeiro time do Brasileirão a ultrapassar a marca de 500 mil torcedores nos jogos em casa.

Nos 14 jogos que disputou como mandante, o time alvinegro levou ao Mineirão 521.604 pagantes, média de 37.257 por partida.

O segundo colocado no quesito média de público tem média de 31.275 pagantes por jogo, contra 23.020 do terceiro colocado.

No Mineiro, o Atlético ainda fará cinco jogos pelo Brasileiro, contra Cruzeiro, Vitória, Flamengo, Internacional e Corinthians.

Fonte: http://www.atletico.com.br

Deixe um comentário

Arquivado em Uncategorized

Filho de Galo, atleticano é!

Sr. Chiquinho e Juninho

Sr. Chiquinho e Juninho

Todo mundo já ouviu o famoso dito popular, “filho de peixe peixinho é”. E no esporte mais popular do país, essa máxima pode ser observada em seus torcedores.

Faz parte da cultura do brasileiro transferir a paixão por um time para o filho. Na maioria das vezes, os pais acabam entendendo essa situação como uma espécie de “iniciação”.

Porém, o caso de Francisco Ferreira Junior, o Juninho, é um pouco diferente. O pai, Sr. Chiquinho, que é torcedor do Atlético, diz não ter influenciado o filho nesse aspecto.

Segundo Sr. Chiquinho, foi tudo coisa de genética. “Eu nunca disse para que torcesse pelo mesmo time que eu. O sentimento pelo Galo está no nosso sangue e não foi preciso influenciar diretamente na decisão dele”.

Presentear o filho com flâmulas, camisas e produtos relacionados ao time, é costume de um pai. O que não foi o caso de Juninho, ele conta que não costumava receber presentes assim. “Ele nunca quis indicar um time, mas é bem raro um filho torcer pra um clube diferente do de seu pai, explica.”

“Ainda que essa influência não tenha sido direta, eu acabei herdando um pouco desse sentimento e me tornei Atleticano”. Afirma Juninho, um admirador da massa atleticana, que segundo ele, o encantou pelo amor ao Clube Atlético Mineiro e ajudou a influenciar em sua escolha.

Veja Também:

6 Comentários

Arquivado em Esporte, Webjornalismo

Fechado com o Galo!

Everton em uma de suas idas ao Mineirão

Everton, em uma de suas idas ao Mineirão

  “Eu já curtia os jogos do Galo na barriga da minha mãe. Fui ao Mineirão antes mesmo de nascer.” E é assim de perto, que Everton dos Santos, torcedor do Galo há tempos, acompanha o seu time do coração.

 Morador da cidade de Coronel Fabriciano, ele sempre assiste aos jogos do Atlético. “Gosto muito de ver com amigos, mas, não é sempre que tenho essa disponibilidade, graças ao Pay Per View, eu assisto em bares. Mas meu lugar preferido ainda é em ‘casa’, no Mineirão, risos. 

 Everton, ou Cabeça, como é mais conhecido, teve seu nome inspirado em um jogador do Atlético.

“Ganhei esse nome em homenagem ao atacante alvinegro, que teve grande destaque nos anos 80, disse.”

 Sentimento

 Segundo Everton, o que o leva a sair de sua casa para ver o Galo em campo, é nada mais que um sentimento. “Só quem é atleticano sabe a sensação de estar no Mineirão lotado, com 50mil pessoas cantando o hino do clube. É uma emoção sensacional, daria tudo pra morar na capital pra poder acompanhar o Galo em todas as partidas dentro de casa”.

 E ele já planeja as idas aos jogos do ano que vem. “Já estou pensando em alugar uma casa em Sete Lagoas, que é pra acompanhar todos os jogos da Libertadores, risos”.

 

3 Comentários

Arquivado em Uncategorized

Pontapé Inicial…

O “Alvo e negro” foi criado com o intuito de apresentar o sentimento do torcedor atleticano. Aqui serão contados os relatos de um sentimento que não é explicado… é demonstrado a cada vez que o torcedor sai de sua casa, para se reunir com seus iguais para cantar e apoiar seu time, mesmo que a distância.

 

6 Comentários

Arquivado em Esporte, Uncategorized